Páginas

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Filosofia Gótica

Creio ter reunido evidências suficientes para concluir que os góticos (tanto os clássicos quanto os neogóticos) constituem a tribo mais culta de todo o universo underground. Há amplas evidências a favor disso (ainda que alguns góticos clássicos como eu não sejam “do underground” em concepção).

As produções literárias, artísticas e cinematográficas acumuladas por muitas décadas e que configuram expressões do goticismo são em número imensamente superiores a qualquer outro agrupamento difuso (perdendo para organizações mais antigas como a Maçonaria e semelhantes, que tiveram coesão grupal e mais tempo para influenciar culturas).

Eu vejo o goticismo como um dos grandes celeiros da pós-modernidade. Se o interesse coletivo dos góticos fosse unificado em um objetivo comum, e devido às características que configuram o goticismo, se teria força para engendrar perspectivas críticas que poderiam ser muito úteis para a sociedade. Num mundo onde a violência parece transbordar todos os limites, a noção do pensamento e atitude pacífica dos góticos ressalta seu papel até mesmo social, como exemplo de possibilidade de tribos urbanas que podem viver em paz. Aliás, eu vejo o goticismo como uma expressão viva da liberdade de pensamento e do respeito à individualidade.

Enfim, onde se parece haver um contraste tão grande entre o racional e o emocional, e onde fala-se tanto sobre a escolha entre ser um ou outro, o goticismo traz uma mensagem de que é possível o conhecimento científico e a erudição sem a perda do encanto, da poesia e do romantismo. E de que, numa analogia bem específica mas que deve ser estendida a todas as outras esferas, tão importante quanto “aprender a técnica de pintar” seria aprender a ter prazer com a pintura. Mesmo como está, o mundo e a vida ainda têm belezas suficientes para encantar os espíritos sensíveis. Eu acredito que essa pode ser a nossa grande mensagem, tanto dos góticos tradicionais quanto dos surrealistas.






Nenhum comentário:

Postar um comentário