Páginas

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Filosofia Gótica

Creio ter reunido evidências suficientes para concluir que os góticos (tanto os clássicos quanto os neogóticos) constituem a tribo mais culta de todo o universo underground. Há amplas evidências a favor disso (ainda que alguns góticos clássicos como eu não sejam “do underground” em concepção).

As produções literárias, artísticas e cinematográficas acumuladas por muitas décadas e que configuram expressões do goticismo são em número imensamente superiores a qualquer outro agrupamento difuso (perdendo para organizações mais antigas como a Maçonaria e semelhantes, que tiveram coesão grupal e mais tempo para influenciar culturas).

Eu vejo o goticismo como um dos grandes celeiros da pós-modernidade. Se o interesse coletivo dos góticos fosse unificado em um objetivo comum, e devido às características que configuram o goticismo, se teria força para engendrar perspectivas críticas que poderiam ser muito úteis para a sociedade. Num mundo onde a violência parece transbordar todos os limites, a noção do pensamento e atitude pacífica dos góticos ressalta seu papel até mesmo social, como exemplo de possibilidade de tribos urbanas que podem viver em paz. Aliás, eu vejo o goticismo como uma expressão viva da liberdade de pensamento e do respeito à individualidade.

Enfim, onde se parece haver um contraste tão grande entre o racional e o emocional, e onde fala-se tanto sobre a escolha entre ser um ou outro, o goticismo traz uma mensagem de que é possível o conhecimento científico e a erudição sem a perda do encanto, da poesia e do romantismo. E de que, numa analogia bem específica mas que deve ser estendida a todas as outras esferas, tão importante quanto “aprender a técnica de pintar” seria aprender a ter prazer com a pintura. Mesmo como está, o mundo e a vida ainda têm belezas suficientes para encantar os espíritos sensíveis. Eu acredito que essa pode ser a nossa grande mensagem, tanto dos góticos tradicionais quanto dos surrealistas.






Atração pelos cemitérios

Parques públicos são atrativos para as pessoas comuns, os cemitérios têm o mesma atração para os góticos. Os cemitérios são uma das muitas opções -- outras incluem parques, áreas de acampamento, jardins, estacionamentos, ruas ou praias desertas, etc.
Os Cemitérios são lugares quietos, ideais para introspecção e reflexão.
Coloca-os em contato com sua própria mortalidade.
Se nós entendermos a fragilidade da vida, seremos mais capazes de apreciar isto.
Ficam longe de TV, computadores, tensões
do dia a dia , responsabilidade, superficialidade
e as coisas sem importâncias que invadem nossas vidas.
Um cemitério promove um nível de introspecção
e reflexão que muitos outros lugares não poderiam
Os cemitérios são bonitos, e de atmosfera misteriosa.

As esculturas, mausoléus, locais sombrios são elaborados, freqüentemente ornamentados. Eles são como um museu gótico, um lugar favorito para obter retratos artísticos.







Arte Gotica

INTRODUÇÃO

O estilo Gótico desenvolveu-se na Europa, principalmente na França, durante a Baixa Idade Média e é identificado como a Arte das Catedrais. A partir do século XII a França conheceu transformações importantes, caracterizadas pelo desenvolvimento comercial e urbano e pela centralização política, elementos que marcam o início da crise do sistema feudal. No entanto, o movimento a arraigada cultura religiosa e o movimento cruzadista preservavam o papel da Igreja na sociedade.
Enquanto a Arte Românica tem um caráter religioso tomando os mosteiros como referência, a Arte Gótica reflete o desenvolvimento das cidades. Porém deve-se entender o desenvolvimento da época ainda preso à religiosidade, que nesse período se transforma com a escolástica, contribuindo para o desenvolvimento racional das ciências, tendo Deus como elemento supremo. Dessa maneira percebe uma renovação das formas, caracterizada pela verticalidade e por maior exatidão em seus traços, porém com o objetivo de expressar a harmonia divina.O termo Gótico foi utilizado pelos italianos renascentistas, que consideravam a Idade Média como a idade das trevas, época de bárbaros, e como para eles os godos eram o povo bárbaro mais conhecido, utilizaram a expressão gótica para designar o que até então chamava-se "Arte Francesa ".


ARQUITETURA


A arquitetura foi a principal expressão da Arte Gótica e propagou-se por diversas regiões da Europa, principalmente com as construções de imponentes igrejas. Apoiava-se nos princípios de um forte simbolismo teológico, fruto do mais puro pensamento escolástico: as paredes eram a base espiritual da Igreja, os pilares representavam os santos, e os arcos e os nervos eram o caminho para Deus. Além disso, nos vitrais pintados e decorados se ensinava ao povo, por meio da mágica luminosidade de suas cores, as histórias e relatos contidos nas Sagradas Escrituras.
Do ponto de vista material, a construção gótica, de modo geral, se diferenciou pela elevação e desmaterialização das paredes, assim como pela especial distribuição da luz no espaço. Tudo isso foi possível graças a duas das inovações arquitetônicas mais importantes desse período: o arco em ponta, responsável pela elevação vertical do edifício, e a abóbada cruzada, que veio permitir a cobertura de espaços quadrados, curvos ou irregulares. No entanto, ainda considera-se o arco de ogiva como a característica marcante deste estilo.




A primeira das catedrais construídas em estilo gótico puro foi a de Saint-Denis, em Paris, e a partir desta, dezenas de construções com as mesmas características serão erguidas em toda a França. A construção de uma Catedral passou a representar a grandeza da cidade, onde os recursos eram obtidos das mais variadas formas, normalmente fruto das contribuições dos fiéis, tanto membros da burguesia com das camadas populares; normalmente as obras duravam algumas décadas, algumas mais de século.





ESCULTURA

A escultura gótica desenvolveu-se paralelamente à arquitetura das Igrejas e está presente nas fachadas, tímpanos e portais das catedrais, que foram o espaço ideal para sua realização. Caracterizou-se por um calculado naturalismo que, mais do que as formas da realidade, procurou expressar a beleza ideal do divino; no entanto a escultura pode ser vista como um complemento à arquitetura, na medida em que a maior parte das obras foi desenvolvida separadamente e depois colocadas no interiro das Igrejas, não fazendo parte necessariamente da estrutura arquitetônica.


Porta do Sarmental, Catedral de Burgos



Pilar dos Anjos, Catedral de Estrasburgo


A princípio, as estátuas eram alongadas e não possuíam qualquer movimento, com um acentuado predomínio da verticalidade, o que praticamente as fazia desaparecer. A rejeição à frontalidade é considerado um aspecto inovador e a rotação das figuras passa a idéia de movimento, quebrando o rigorismo formal.
As figuras vão adquirindo naturalidade e dinamismo, as formas se tornam arredondadas, a expressão do rosto se acentua e aparecem as primeiras cenas de diálogo nos portais.

PINTURA

A pintura teve um papel importante na arte gótica pois pretendeu transmitir não apenas as cenas tradicionais que marcam a religião, mas a leveza e a pureza da religiosidade, com o nítido objetivo de emocionar o expectador. Caracterizada pelo naturalismo e pelo simbolismo, utilizou-se principalmente de cores claras
"Em estreito contato com a iconografia cristã, a linguagem das cores era completamente definida: o azul, por exemplo, era a cor da Virgem Maria, e o marrom, a de São João Batista. A manifestação da idéia de um espaço sagrado e atemporal, alheio à vida mundana, foi conseguida com a substituição da luz por fundos dourados. Essas técnicas e conceitos foram aplicados tanto na pintura mural quanto no retábulo e na iluminação de livros".